moon-express

A iniciativa privada entra na nova corrida espacial.

Muita gente se pergunta ‘por quê investir em viagens espaciais?’, usando um olhar superficial, a resposta pode parecer óbvia, afinal, o que temos a ganhar com a tecnologia usada no espaço?

Muito.

Desde o mais óbvio, que é o design de aviões, até processos que controlam a produção de alimentos, para evitar que ele seja consumido em mal estado, passando por termômetros infravermelhos, membros artificiais, melhora em pneus radiais, estriamento de asfalto para melhor tração de veículos automotores, células solares e muito mais! (Nesta página da Wikipedia, você poderá ver, conteúdo em inglês).

Mas o fato é que com o fim da guerra fria, a corrida espacial em si esfriou MUITO, e a NASA viu seu orçamento diminuir de forma cada vez mais drástica.

Quem está tirando proveito disso é a iniciativa privada.

O Governo Norte Americano deu licença, sabe-se lá com qual autoridade, para uma empresa sediada na Flórida, a Moon Express, pousar na superfície da Lua já em 2017. Os motivos da Moon Express são dois, o primeiro é ganhar o prêmio de US$20 milhões do Google Lunar X-Prize, que será dado para a primeira empresa particular que pousar em sua superfície. O outro motivo, é a exploração de minérios, bem, a análise dos minérios que podem existir por lá, porque a exploração dependerá de tratados comerciais.

E se você acha que a Moon Express é a única, saiba que está enganado, outras 16 empresas competem pela mesma premiação.

Mas não para aí! A SpaceX, empresa liderada por Elon Musk, já falamos dele aqui, trabalha em parceria com a NASA para, em 2018, ser capaz de pousar uma espaçonave em Marte! Como funciona a parceria? A SpaceX entraria com toda a tecnologia e equipamento necessário para a viagem, ou seja, com o custo pesado, e a NASA daria o suporte à missão com pessoal e sua rede espacial de comunicação, que seria primordial para o controle da nave, que não seria tripulada.

moon-express

O que a SpaceX tem a ganhar? Bem, lembra das coisas que eu falei que foram criadas na corrida espacial? Pois este é o principal ganho que eles terão, a possibilidade de registrar novas patentes, e desenvolver novas tecnologias, até mesmo, para quem sabe, entrar na corrida para mineração de asteroides.

Sim, há planejamento disto, mas é conversa para outra hora!

instagram-stories

O que anda acontecendo no mundo tecnológico #4

Instagram Stories

instagram-stories

Depois de fazer algumas tentativas, infrutíferas, de comprar o Snapchat, o Facebook perdeu a paciência e adicionou o ‘Stories’ ao Instagram, uma função que ao fim e cabo, reproduz a função principal do Snapchat, vídeos curtos e com ‘prazo de validade’, dentro de uma de suas plataformas.

Não é a primeira vez que a empresa de Zuckerberg faz isto, depois de comprar o Whatsapp e o próprio Instagram, ele resolveu bater de frente com o Youtube adicionando vídeos, e mais recentemente investir contra o Periscope, uma empresa do Twitter, com a ferramenta de transmissão de streamings Live.

Enfim, dinheiro e um certo desejo de dominação mundial são coisas que parecem não faltar à empresa, vamos ver onde que isso vai parar…

 

Mais um roubo multimilionário de Bitcoins

bitfinex

Em janeiro de 2014, 70% de todos os Bitcoins, a criptomoeda, eram negociados através de uma empresa japonesa chamada Mt.Gox, até que ela foi, supostamente, invadida, e cerca de 850.000 Bitcoins de clientes foram roubado, a dinheiro de hoje, seriam cerca de R$1,4 bilhões.

Mas parece que o pessoal não aprende com a experiência, explico, quando você têm Bitcoins, você pode optar por mantê-las consigo, ou em alguma bolsa de negociação, como era a Mt.Gox. Bem, para provar que um raio pode cair duas vezes (quase) no mesmo lugar, agora foi a vez de uma empresa de Hong Kong, a Bitfinex, ser invadida, e ter 120.000 Bitcoins – R$ 200 milhões –, pertencentes a clientes roubados. Bitcoins são dados, e dados são, infelizmente fáceis de roubar. Se você resolver investir nisso, certifique-se que manter seus dados seguros!

 

Google vai testar entregas com Drones!

google-drone

A FAA, agência federal que regula a aviação nos EUA, deu luz verde ao Google para que ele possa testar entrega de encomendas com drones. Os teste acontecerão em seis cidades do país, mas não são apenas os EUA que estão fazendo este tipo de teste, na Alemanha, desde 2014, empresas de encomendas têm permissão de para fazer entrega de medicamentos com a tecnologia no Mar do Norte.

Imposto para Netflix nos EUA (mau sinal)…

imposto-netflix

A possibilidade várias vezes aventada no Brasil, de se estabelecer um imposto específico para serviços de streaming, agora um estado norte americano resolveu implementar tal cobrança, e TODO serviço online, desde a Netflix até serviços como o Kindle Unlimited, da Amazon, vaõ entrar na dança. É uma questão de tempo, até que nossos legisladores se animem com a mesma coisa por aqui.

Edward Snowden lança case anti-espionagem

snowden-case

Famoso por denunciar os grampos eletrônicos do NSA, Edward Snowden juntou-se ao hacker Adrew “Bunnie” Huang, e criou um case especial que monitora quem lhe monitora. Explico. O SIM card passa a ser utilizado no case, e um plugin especial substitui o SIM card do telefone.

Desta forma, o case monitora todos os sinais de rádio que passam pelo seu aparelho, e podendo bloqueá-los direto no hardware do aparelho. É como se fosse um ‘modo avião’ vitaminado, já que, mesmo em movo avião, seu telefone não deixa de usar frequências de rádio!

spot-mini

Inteligência artificial, quando a ficção e a realidade se misturam

Você lembra do filme Matrix, aquele em que a imensa maioria dos humanos vivem dentro de uma simulação, tendo seus corpos reais estocados em capsulas e usados como ‘baterias biológias’, para o computador que cria o mundo virtual?

Bem, um dos empreendedores mais ‘afiados’ da atualidade, Elon Musk (já falamos dele aqui), disse acreditar, durante uma conferência, que há apenas uma chance em um bilhão de não estarmos vivendo dentro de uma simulação.

Geralmente eu encararia isto como uma piada. Mas ele não fala isso à toa.

Ao explicar seu pensamento, ele utiliza como argumento o desenvolvimento incrivelmente rápido dos vídeo games, veja, em um espaço de apenas quarenta anos, passamos de tracinhos e quadrinhos do ‘Pong’, para jogos criados com impressionante qualidade gráfica, e computadores extremamente poderosos, como o IBM Watson, capaz de fazer diagnósticos de doenças humanas com incrível precisão, e coisas como o Blackbird.

Mas veja o vídeo primeiro, depois termine de ler o texto! Ative as legendas e mande traduzir para português, ou apenas assista e fique maravilhado.

Entendeu? Chegou ao ponto em que não precisamos mais usar um carro par fazer o vídeo de um carro, um robô que pode ser configurado para reproduzir a geometria de virtualmente qualquer carro, e pode, a posterior, receber a ‘pele’ do carro que quer reproduzir.

Apesar de eu não ter a mesma convicção de Musk sobre estarmos vivendo em uma simulação, confesso que o ‘filosofar’ em torno da possibilidade de sermos todos inteligências artificiais, é algo intrigante.

A Boston Dynamics não cansa de nos mostrar o futuro com seus robôs quadrúpedes.

Mais prova que vivemos no limite entre a realidade e a ficção, ainda neste campo da inteligência artificial, é que um professor da prestigiada Universidade de Oxford, na Inglaterra, já pôs em discussão a possibilidade de as inteligências artificiais chegarem a um ponto de avanço, em que precisemos definir seus direitos fundamentais, algo como o ‘direitos humanos de máquinas’…

Meus amigos, que era para se viver!

zenbo

Zenbo, o robô ‘mordomo’ da Asus

Não sei se você assistiu aos Jetsons, um desenho animado da Hanna Barbera, que mostrava um futuro em que veículos voadores transformavam-se em valises, todos se moviam por esteiras, e tudo em casa era gerenciado por Rose, uma funcionária cibernética, que tomava conta de tudo.

Casa automatizadas já são uma realidade já há algum tempo, para poucos por conta do preço, é verdade, mas empresas especializadas são capazes de automatizar, ou centralizar o controle de várias funcionalidades em um tablet, como a ativação de condicionadores de ar, controle de janelas, cortinas e iluminação, e até mesmo som ambiente integrado a uma central de mídia.

No exterior A Amazon oferece o Echo, e o Google oferece o Home, gadgets para uso residencial que são capazes de entender ordens faladas, dar respostas, e controlar equipamentos automatizados, e no caso do Echo, fazer compras na loja online, mas a Asus foi um passo adiante (em direção à Rose).

O Zenbo é basicamente um robô mordomo, dotado de inteligência artificial (rústica, mas ainda assim inteligente). Para começar o pequeno robô pode mover-se dentro de casa, o que é por si uma vantagem, já que ele pode ir até você receber uma ordem, e o mais importante, quando você estiver fora de casa, ele pode ser controlado remotamente, o que lhe permite ver o que está havendo em casa.

Outras vantagens do pequeno robô é que ele pode até mesmo entreter crianças, cantando, dançando, contando histórias e até mesmo jogando com elas, e ainda funciona como um assistente pessoal, para que os mais esquecidos se lembrem de seus compromissos, ou até mesmo de tomar remédio.

O preço que está sendo praticado pela Asus no exterior é de US$599 ainda não há previsão da chegada do gadget ao Brasil.

Criptografia: WhatsApp e seus smartphones

Na terça-feira, 05/04/16, o WhatsApp anunciou que tudo que for trocado entre dois usuários através do aplicativo, texto, imagens, vídeo ou som, passarão a contar com criptografia assimétrica ‘ponta a ponta’, ou seja, utilizando tecnológica de chave pública e particular, que impede até mesmo a empresa tomar conhecimento de seu conteúdo, à exemplo do que faz o Signal, o mensageiro móvel que até então era o mais seguro do mercado.

Já havia algum tempo que o Facebook, proprietário do aplicativo, planejava dar este passo, mas foram as últimas pressões feitas por governos, tentando fazer com que a empresa revelasse as comunicações de seus usuários, fez com que finalmente fosse posta em prática.

Aproveitando este fato, queríamos aproveitar para ensiná-los a tornar seus smartphones, Android e iOS, ainda mais seguros, criptografando os dados que eles contêm, através de dois breves guias.

O que você precisa saber, antes de começar:

Se você perder a senha, precisará fazer um ‘reset’ ao estado de fábrica.
No caso dos Androids mais antigos, 5.0 ou anteriores, você perderá um pouco de desempenho no aparelho.
Só proceda com o processo de criptografia, com o aparelho 100% carregado (se seu aparelho estiver com problema de bateira, deixe conectado no carregador).

iPhones

A Apple introduziu o processo de criptografia em 2014, na versão 8 do iOS, ou seja, o aparelho é criptografado por padrão e tudo que você precisa é adicionar uma senha.

Vá em ‘Ajustes’
Selecione ‘Touch ID e Senha’ (ou ‘Senha’ para aparelhos sem sensor de digitais)
Clique em ‘Ligar Senha’
Digite uma senha. Quanto mais longo, mais seguro, mas lembre-se que você precisa lembrar dela.

Androids

Nos aparelhos mais modernos, rodando a versão Android 6.0 Marshmallow, a criptografia também já vem ligada por padrão, nas versões mais antigas, você precisa primeiro criptografar o aparelho.

Se o seu Android é 5.X ou anterior, faça isto primeiro:

Vá em ‘Configurações’
Clique em ‘Segurança’
Clique em ‘Criptografar o Telefone’
Clique em ‘Confirmar’ (serão necessários alguns minutos para que o aparelho seja criptografado).

Para ativar a segurança (todas versões):

Vá em ‘Configurações’
Clique em ‘Segurança’
Clique em ‘Bloqueio de Tela’ e escolha uma das opções de bloqueio.

Vivemos no futuro: adolescente ganha US$250.000 em corrida de drones!

Quanto mais se olha para o mundo da tecnologia, mais pode-se acreditar que o futuro já chegou, e nós vivemos nele. Claro, dadas as realidades, e a variedade, vivemos, mas nem sempre o vivenciamos.

Um exemplo disto são as primeiras provas de corridas com drones, que chegaram em grande estilo com o Grand Prix Mundial de Drones (WorldDronePrix) em Dubai distribuindo um milhão de dólares em prêmios!

No total 150 competidores competiram, utilizando óculos de realidade virtual, que lhes dava visão de primeira pessoa de uma câmera fixada no drone, fazendo parecer que estavam mesmo sentados no aparelho (veja o vídeo abaixo, fica mais fácil entender), eles seguiam uma pista iluminada, tendo o cuidado de atravessar os arcos que marcavam o caminho.

O vencedor foi Luke Bannister, um inglês de 15 anos, que conseguiu bater o time local de Dubai, e levou para casa US$250.000,00.

Apesar de ter muita gente animada com o novo ‘esporte’, ainda há um gargalo sério a ser ultrapassado: como assistir uma corrida destas sem ficar tonto! Sério, ver uma corrida solta, como vimos aqui é tranquilo, mas pela velocidade com que os aparelhos mudam de direção, assistir várias corridas seguidas, em ‘primeira pessoa’ pode ser um desafio.

Pelo que pesquisei estão procurando um meio de usar uma câmera que sigam os drones, provavelmente presas aos trilho de marcação da pista, isso tornaria o movimento mais estável e agradável à audiência. Aguardemos.

Mas já que estamos falando em drones, sua proliferação em locais com espaço aéreo restrito, vem se tornando um problema, mas como você pode ver abaixo, não por muito tempo 😉