Enquanto isso, no mundo das redes sociais

E o Google Plus se alinha a Mark Twain, que em 1897 cunhou a célebre frase: “o relato sobre minha morte é um exagero”. A rede social do Google que reportadamente custou meio bilhão de dólares para ser desenvolvido, foi, e é, provavelmente um dos maiores fracassos do Google.

google-photosQuando a empresa começou a desmembrar em produtos independentes, coisas que faziam parte da rede social, como o Hangouts, e principalmente o Photos, formou-se um forte boato de que a Google Inc. estava finalmente desistindo da rede. Mas agora em novembro veio a supresa, o Google Plus ganhou uma atualização visual e centrou foco em torno das já existentes ‘Comunidades’ (sua versão de Fanpages), e lançou as ‘Coleções’, que centralizam posts em torno de tópicos que podem ser seguidos, lembrando o Pinterest.
google-plus-colecoes

Aliás, se você não visita o Google Plus há algum tempo, vale a pena testar o novo visual, e principalmente as ditas ‘Coleções’, encontrei alguns tópicos bem interessantes (dica: use a busca).

Prints to Faceboko Articles

E enquanto isso o Facebook segue seu plano de dominação internet. Não, não é uma figura de linguagem, a ambição da rede social é que fazer com que todos os usuários não saiam de seu ecossistema em momento algum, nem na hora de consumir conteúdo de terceiros. Para isto, ela criou há alguns meses o ‘Instant Articles’ (Artigos Instantâneos), uma ferramenta para que produtores de conteúdo escolhidos a dedo, pelo menos no início, façam publicações multimídia que possam ser consumidos dentro do próprio aplicativo móvel do Facebook.

A novidade é que o Articles, que já está liberado em outros países, está em vias de ser liberado aqui para a América Latina. Além disso, o Facebook vai liberar o uso de uma ferramenta para streaming online de vídeo, nos moldes do Periscope, e outra para que se façam colagens de vídeos e fotos.

Se você é do tipo desbravador, listo abaixo algumas outras redes sociais que vêm lutando por um lugar ao sol. Mas como disse Peter Thiel, no livro ‘Zero e Um’: “O próximo Zuckerberg, não criará uma rede social”, frase que se encaixa perfeitamente a estas três redes que são mais ou menos, mais do mesmo…

This.cm – é uma rede que funciona da forma oposta ao que faz hoje, ela permite a publicação de UM LINK por dia, ou seja, ela quer que você, e seus amigos, publiquem o que encontrar de melhor na internet.

Ello – da nova safra de redes sócias é a mais antiga, foi lançada há pouco menos de dois anos, e se diz ‘anti-publicitária’ (ainda é um mistério como fará para sobreviver).

Tsu.co – ao contrário do Ello, esta é uma rede completamente monetarista, ela se propõe a pagar aos usuários, mas é famosa mesmo por ter tido a URL banida do Facebook no dia do lançamento.

Já as redes sociais abaixo, se você não conhece, fica a sugestão: visite-as, vale a pena!

Skoob – é uma rede social nacional, para amantes de livros. Ela permite o gerenciamento de listas do que você quer ler, já leu ou está lendo. Conta com vários reviews, você mesmo pode fazer alguns se quiser, e até mesmo com uma comunidade para troca de livros.

Skoob, uma rede social para quem gosta de livros
Skoob, uma rede social para quem gosta de livros

Medium – é uma rede para quem curte leitura de contos e artigos mais longos, é o ambiente natural dos ‘textões’, muitos formadores de opinião usam a rede para publicações mais elaboradas, ela e se propõe a ser uma plataforma de blogs. Ela incomodou tanto, que o Facebook reformulou seu app ‘Notas’ para ficar parecido com ela.

Periscope – pertencente ao Twitter, ela permite o streaming de vídeos em tempo real, com possibilidade de interação com seus seguidores.

Quora – é a rede onde estão respondidas as mais absurdas, curiosas e impressionantes questões. Seu único ‘porém’ é ser inteiramente em inglês. Mas trata-se de uma excelente fonte de pesquisa.

quora

Snapchat – é uma rede social com conteúdo que só fica disponível por um determinado tempo, tem feito muito sucesso na ‘Geração Y’, até mesmo porque aparentemente ninguém além dela, consegue entender perfeitamente sua dinâmica (me desculpem, eu não sou da geração Y) – funciona apenas via app em iOS e Android.

Enfim, tem muita coisa bacana para ser explorada, pena que o dia não tem 30 horas 😉

 


Por Gilberto Soares Filho,
consultor de TI, programador,
e entusiasta de redes sociais.

Leave a Comment