Inteligência artificial, quando a ficção e a realidade se misturam

Você lembra do filme Matrix, aquele em que a imensa maioria dos humanos vivem dentro de uma simulação, tendo seus corpos reais estocados em capsulas e usados como ‘baterias biológias’, para o computador que cria o mundo virtual?

Bem, um dos empreendedores mais ‘afiados’ da atualidade, Elon Musk (já falamos dele aqui), disse acreditar, durante uma conferência, que há apenas uma chance em um bilhão de não estarmos vivendo dentro de uma simulação.

Geralmente eu encararia isto como uma piada. Mas ele não fala isso à toa.

Ao explicar seu pensamento, ele utiliza como argumento o desenvolvimento incrivelmente rápido dos vídeo games, veja, em um espaço de apenas quarenta anos, passamos de tracinhos e quadrinhos do ‘Pong’, para jogos criados com impressionante qualidade gráfica, e computadores extremamente poderosos, como o IBM Watson, capaz de fazer diagnósticos de doenças humanas com incrível precisão, e coisas como o Blackbird.

Mas veja o vídeo primeiro, depois termine de ler o texto! Ative as legendas e mande traduzir para português, ou apenas assista e fique maravilhado.

Entendeu? Chegou ao ponto em que não precisamos mais usar um carro par fazer o vídeo de um carro, um robô que pode ser configurado para reproduzir a geometria de virtualmente qualquer carro, e pode, a posterior, receber a ‘pele’ do carro que quer reproduzir.

Apesar de eu não ter a mesma convicção de Musk sobre estarmos vivendo em uma simulação, confesso que o ‘filosofar’ em torno da possibilidade de sermos todos inteligências artificiais, é algo intrigante.

A Boston Dynamics não cansa de nos mostrar o futuro com seus robôs quadrúpedes.

Mais prova que vivemos no limite entre a realidade e a ficção, ainda neste campo da inteligência artificial, é que um professor da prestigiada Universidade de Oxford, na Inglaterra, já pôs em discussão a possibilidade de as inteligências artificiais chegarem a um ponto de avanço, em que precisemos definir seus direitos fundamentais, algo como o ‘direitos humanos de máquinas’…

Meus amigos, que era para se viver!

Related posts

Leave a Comment