Mesa digitalizadora e suas funções: conheça melhor a ferramenta!

Para grande parte do pessoal que cria designs profissionalmente, a mesa digitalizadora já é uma ferramenta básica de trabalho. Com ela, é possível abandonar o mouse para a maioria dos procedimentos em artes digitais, o que permite um trabalho bem mais ágil e confortável. Quer saber o básico sobre o equipamento antes de garantir o seu? Acompanhe o post e compre bem informado!

Como funciona uma mesa digitalizadora

Também conhecida como tablet gráfico, drawing pad ou tablet pad, a mesa digitalizadora é um periférico para PCs ou notebooks que permite desenhar com uma caneta especializada.

Os traços digitais são realizados sobre o hardware e surgem na tela do monitor, facilitando diversas tarefas difíceis de reproduzir com o cursor tracionar. Por possuir a mesma configuração que o papel e caneta reais, permite que os movimentos do desenho sejam muito mais naturais, com resultados super interessantes.

As versões atuais não exigem softwares específicos para utilização, apesar de possuírem aplicações individuais para que se realize configurações da mesa. Funcionam normalmente nos diversos programas de edição de imagem, como photoshop e illustrator, atuando como um substituto otimizado do mouse. Assim, você poderá usar todas as possibilidades desses softwares e combiná-las com o traçado natural do desenho à mão.

O stylus, nome que se dá à caneta que acompanha a mesa, geralmente apresenta dois botões com finalidades configuráveis através do software. Suas funções nativas, porém, costumam ser as mesmas do botão direito e esquerdo do mouse, permitindo que você realize comandos tradicionais do PC sem precisar trocar de ferramenta.

A mesa em si também pode conter botões, para facilitar a navegação. De modo geral, a conexão com o computador se dá por meio de cabo USB ou bluetooth.

Uma das funções mais interessantes apresentadas pelos modelos mais completos é a detecção de pressão, que torna o traço mais forte, mais grosso ou mais delicado de acordo com a força aplicada.

Algumas versões detectam a inclinação da caneta, reproduzindo com muito realismo os desenhos hachurados, por exemplo. Modelos que leem o toque dos dedos possibilitam que você reproduza o efeito de pintura manual.

As principais versões do mercado

De maneira geral, os aparelhos comumente conhecidos como mesas digitalizadoras são compostos de tablets sem imagem, que capturam o movimento realizado e o reproduzem no monitor do seu PC.

Assim são todos os modelos de entrada da Wacom, a grande líder no mercado de tablets. A marca se destaca pela durabilidade e funcionamento confiável, ideal para quem não quer saber de substituir o equipamento por um bom tempo.

Procurando pelas mesas digitalizadoras que possuem tela? Neste caso, você está falando dos displays interativos, equipamentos bem mais caros e especializados. Com eles, a sensação é a de estar desenhando sobre um papel digital, e o traço realizado surge imediatamente abaixo da caneta. Nos modelos mais caros, até a textura da tela imita a do papel.

O que observar na hora de escolher sua mesa?

Decidiu adicionar uma drawing tablet às suas ferramentas de desenho? Hora de estudar o mercado para fazer a escolha certa. Confira a seguir os principais critérios a serem levados em conta no momento de escolher seu equipamento:

  • Faixa de preço

Como na seleção de qualquer periférico, começar pela definição da faixa de preço em que está disposto a investir é sempre a melhor ideia. Isso evita frustrações e possibilita uma escolha muito mais certeira, com concentração integral nos elementos pelos quais você pode de fato pagar.

A maioria dos designers profissionais afirma que os modelos de entrada são os melhores para os iniciantes, pois são bem mais baratos e simples de usar, sem funcionalidades mirabolantes.

Apesar disso, permitem que o usuário conheça muito bem a ferramenta e são suficientes para a grande maioria das tarefas. Lembre-se que a mesa digitalizadora exige um período de adaptação, no qual você aprenderá a acionar funções com mais rapidez, acostumando-se com a sensação de desenhar sem olhar para a mão. Nessa fase, uma versão mais simples pode ser tudo o que você precisa.

  • Tamanho

O tamanho da mesa se relaciona, inicialmente, com dois fatores principais: o tamanho do seu monitor e o esforço que seu braço precisará realizar para atingir as extremidades do desenho. Uma tablet maior pode oferecer maior conforto de uso, mas exigirá movimentos mais amplos para atingir os cantos opostos da tela. Considere, ainda, que modelos maiores costumam ser mais caros.

Além desses critérios iniciais, você deverá considerar também seu estilo de trabalho. Designs muito amplos exigem um espaço maior de trabalho que pode ser difícil de reproduzir em uma mesa pequena ou média. Coloque esses fatores na balança no momento da decisão!

  • Funções

Funções diferenciadas e super especializadas também afetam bastante o preço de seu equipamento. No momento de analisar esse fator, seja realista e liste as funções que de fato fazem a diferença nos designs que você realiza.

Se você trabalha com lettering, por exemplo, um ótimo sensor de pressão é mais que necessário. Pretende fazer desenhos que reproduzam pinturas reais, feitas no papel? Funções como o sensor tátil podem ser cruciais.

E aí, curtiu essa apresentação completíssima das mesas digitalizadoras, equipamentos fascinantes que te dão vazão integral à criatividade? Conte pra gente o que achou do post e compartilhe suas sugestões. Adoramos ler seus comentários!

Quer continuar descomplicando os diversos periféricos desse mundão da tecnologia? Permaneça ligado nas atualizações do blog, que acontecem toda semana. Até o próximo post, pessoal!

Tags: No tags

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *