PC Gamer ou console: em qual devo investir?

No mundo gamer sempre houve a eterna disputa entre PC ou console, e esse é um dos pontos que mais divide as opiniões e paixões dos entusiastas. E a dúvida é justa e muito digna, pois ambos têm os seus ônus e bônus, e nós, que amamos dispositivos gamer, trouxemos uma lista de considerações para se pensar ao fazer uma escolha.

PC Gamer ou console, os principais pontos da disputa

Vamos trabalhar com alguns pontos onde as duas plataformas se diferenciam mais frontalmente, sem fazer um juízo de valor de cada um dos lados, para que você possa pesar cada parte:

Funcionalidade

Neste quesito o PC se destaca por oferecer um grupo enorme de funções para navegação, aplicações de edição, comunicabilidade, enfim, a capacidade de processamento de um PC Gamer também permite trabalhar com outros tipos de aplicações mais pesadas, como estúdios de vídeo, áudio, imagem e afins.

Os consoles também oferecem funções extras: é possível navegar em plataformas de vídeo, usar alguns canais de comunicação mais ligados ao mundo gamer, ouvir música e assistir filmes de mídia física.

Periféricos

A navegabilidade e controlabilidade jogam uma regra importante na hora de escolher sua plataforma, pois com o console, você estará praticamente restrito ao joystick nativo, que em todas as plataformas são de altíssima qualidade, mas estes mesmos periféricos também pode ser usados no PC.

Mais do que isso, no PC você pode customizar enormemente a calibragem do mouse, adicionar uma série de atalhos e customizar até outros tipos de controladores mais antigos ou paralelos, sem ficar preso à um controle nativo.

Exclusividade e retrocompatibilidade

Toda plataforma tem seu grupo de games exclusivos, aqueles títulos mais cultuados pelas comunidades e que, consequentemente, também acumulam mais prêmios.

Para fidelizar ainda mais suas comunidades, as empresas têm investido na retrocompatibilidade de títulos, seja através da mídia física, seja através de planos de assinatura para jogar games clássicos das plataformas, e isso tem dado muito certo!

Ainda que o PC tenha capacidade para mapear muitos estilos diferentes de games, especialmente os RPGs, MMORPGs e sandboxes, os consoles já avançaram sobre as novas gerações de RPGs online, os games indie, os sandboxes e até os RPGs mais grassroots e imersivos.

No PC fica cada vez mais difícil acessar os títulos clássicos que jogávamos na nossa infância, e os consoles têm investido pesado para recuperar essa tradição.

Ainda que o PC tenha uma infinidade de títulos nas principais plataformas, como Epic e Steam, a verdade é que maioria dos games AAA ainda são desenvolvidos pensando majoritariamente nos consoles.

Comunidade

A verdade é que todos os gamers estão divididos pela plataforma que escolheram. É praticamente impossível se conectar para uma partida ou um co-op com um amigo em outra plataforma.

Isso ajuda a balancear a jogabilidade, que pode variar muito entre o kit mouse e teclado e o joystick.

Mais do que isso, pensar uma comunidade também é pensar a forma de interação do seu público, e podemos dizer que nisso os consoles dão um show: quem ama um, é realmente ligado e ativo com os lançamentos, as discussões e todos os aspectos, enquanto a comunidade do PC, talvez pela sua enorme variedade, não possui uma centralização tão grande e ativa assim.

Customização

Um dos grandes benefícios do PC é o nível de customização. Apesar de as comunidades serem relativamente mais descentralizadas, alguns títulos possuem uma enorme e dedicada comunidade de modders, patchers, para você desfrutar de diversos modos alternativos games como GTA V, The Elder Scrolls Online V: Skyrim, Half-Life II e muitos outros.

Mas a customização não pára por aí, pois se falamos das configurações de controles, gráfico, iluminação, responsividade e atalhos, então o PC passa disparado na frente do console. Mas devemos pensar que o console já opera nas melhores configurações possíveis de acordo com o dispositivo disponível, enquanto muitas configurações do PC podem ser confusas e pouco produtivas, apesar de torná-lo mais customizável especialmente para máquina mais low-end poderem rodar os títulos.

Comodidade

A praticidade do console tem um apelo grande para muitos perfis de gamers, pois é o famoso plug & play, sem muitas firulas ou configurações, enquanto o PC acaba tendo algumas exigências.

É claro que você pode ligar seu gabinete no televisor, alterar as configurações, modificar os parâmetros gráficos etc., etc., etc.. A questão é o que o console tem um aspecto muito mais familiar, público, mais acessibilidade para os pequenos e os mais velhos também, com interfaces intuitivas, preparado para o ambiente público.

Claro que também é possível acessar seus games jogado no sofá através do PC, mas você sente que pc e console têm o mesmo nível de imersividade?

Colecionabilidade, valorização e estética

Seja PC Gamer ou console, ambos são investimentos um tanto salgados, e você pode definir formas diferentes para decidir se seu investimento se paga. Pode ser o nível de funcionalidade, o acesso aos seus games favoritos, a comodidade, mas se falamos no longo prazo de um investimento, a verdade é que o mundo gamer evolui muito rápido.

Os consoles são desenvolvidos com um design de hardware avançado para demorar a ficar obsoleto, para que as desenvolvedoras consigam aproveitar e avançar o máximo possível dentro do seu período de vigência.

Mais do que isso, os títulos físicos dos consoles costumam ter alguma conversibilidade, podem ser trocados, revendidos, colecionados, e nos PCs raramente há títulos que ainda sejam lançados em mídia física.

Você ainda pode colecionar seus títulos em versão digital na sua biblioteca de games, mas lá eles não se valorizarão ou ficarão em sua estante.

A questão da colecionabilidade é um ponto forte para os gamers mais raíz, especialmente aqueles que costumam negociar itens. Pois um console de edição limitada ou um determinado títulos pode se valorizar com o passar dos anos e se tornar verdadeiras relíquias. Além de, com a retrocompatibilidade, você poder continuar curtindo muitos deles na sua plataforma atual.

Enquanto isso, a tendência do PC é que ocasionalmente seu hardware se torne obsoleto. É claro que você sempre poderá substituí-lo, mas há vezes em que isso exige uma mudança na placa mãe, na capacidade de memória e afins.

Mas esse processo não é tão rápido assim, e você poderá se antecipar para todos esses eventos na medida em que a indústria avança, já que a atualização de componentes de PC tem uma tendência a ficar cada vez mais acessível.

Até há pouco tempo atrás poderíamos dizer que a customização estética dos consoles era altamente limitada e cara, enquanto no PC gamer, você tem uma grande liberdade para escolher os componentes, inclusive estéticos, da forma como preferir.

Mas acontece que, além das edições exclusivas e de colecionador que ocasionalmente as empresas lançam, a modificação dos consoles também tem crescido muito, inclusive num nível faça você mesmo internet afora.

Hardware

Como dissemos antes, os design de hardware dos consoles já é produzido pensando no limite tecnológico para as desenvolvedoras, o que dá alguns anos de espaço para o desenvolvimento de tecnologias que se enquadrem naquele grupo de parâmetros, e a verdade é que grande parte das desenvolvedoras de games estão focadas na maior leque possível de consumidores. Dificilmente qualquer game AAA será produzido sem considerar os consoles atuais.

Mais do que isso, dentro do mundo do PCs, dificilmente um título exclusivo será muito high-end, para evitar restringir demais a média de consumidores dentro do nicho do PC.

Mas um PC realmente high-end terá meios de customizar os games através de certos tweaks que dão uma incrementada na experiência.

Outra coisa que não pode ser ignorada é a questão do processamento em si. Muitos usuários de console se queixam da falta de controle de clocking, que ocasiona superaquecimento ou um sub-uso da capacidade de processamento em determinados momentos. Apesar disso, o tema é uma das maiores promessas técnicas dos consoles de nova geração.

Preço

Resolvemos deixar este ponto para o final por questões óbvias.
No fim, PC gamer ou console terão um preço considerável, e talvez seja por isso que a maioria se sente obrigada a escolher entre um ou outro.

Existem questões chave para pensar o preço atual e a tendência futura de seus preços também.

Uma delas é a questão da exclusividade. Sony, Microsoft e Nintendo têm componentes exclusivos, que são fabricados apenas com supervisão das empresas e possuem controle enorme nos limites de uso de seus hardwares e sua imagem.

Tudo está sob rígida supervisão das companhias e, apesar de haverem componentes paralelos, eles continuam sendo difíceis de se encontrar, caros e, por vezes, de qualidade duvidosa.

Enquanto em relação ao PC, você possui uma quantidade enorme de opções alternativas e paliativas na construção de sua máquina, que pode levar anos e ser interrompida se necessário sem que você precise ficar sem jogar.

Enquanto o console é um investimento imediato, o PC pode ser montado aos poucos.

Outra questão é que, para jogar maioria dos games online, você precisa de uma assinatura de sua loja digital, além de os games para console costumarem custo um tanto a mais que suas versões para PC.

Os preços de consoles oscilam bastante: na fase pós-lançamento, pode cair até perto da metade do preço inicial, e o mesmo costuma acontecer com os games.

No caso dos PCs, você pode buscar por componentes que não estejam tão fortemente indexados no dólar, se tiver paciência para buscar e esperar a entrega, conseguirá fazer boas economias.

A tendência dos consoles tem sido subir em preço, e isso não se dá apenas pela subida do dólar em si, mas pelo custo médio das empresas e suas taxas de lucro. Enquanto isso, a tendência dos componentes gamer tem feito o caminho inverso e caído consideravelmente, especialmente devido à competitividade e a abertura de novos polos de produção.

Dando o Play

A verdade é que, apesar das diferenças que nem sempre são pequenas, pc gamer ou console costumam ter públicos fiéis e muitos méritos cada, de forma que, no final, o que mais importa é a satisfação e ter feito a melhor escolha, de estar perto dos amigos e ter adotado aquela plataforma que você sente que mais tem a sua cara.

Aqui na iByte nós trabalhamos tanto com consoles e títulos quanto componentes para PC Gamer, e oferecemos a melhores opções de acessórios, títulos e hardwares para a sua plataforma favorita.

Para receber mais conteúdos sobre games e eletrônicos em geral, basta assinar nossa newsletter, estamos sempre com conteúdos novos para você!

Conheça os melhores aplicativos para editar fotos no celular!

Até há pouco tempo atrás, editar uma foto era um processo completamente profissional e complexo, exigia uma assinatura cara da lista de poucos programas e demandava uma quantidade enorme de processamento, mas com a chegada dos celulares smartphones e dos aplicativos para editar fotos, tudo isso deu um giro enorme, e hoje você pode fazer edições incríveis da palma da sua mão.

As opções são muitas, e para te ajudar a escolher o aplicativo de edição de fotos mais adequado às suas necessidades e te salvar de programas de baixa qualidade e repletos de Ads, preparamos uma lista dos mais confiáveis e funcionais.

Todas as opções que preparamos possuem versões gratuitas e pagas, com extensões e diversas funções que podem ser incorporadas:

Melhores aplicativos para editar fotos no celular

Nossa lista não pode deixar de começar pelos mais tradicionais e renomados aplicativos para editar fotos, mas na medida que avança, damos uma atenção especial também aos aplicativos mais recentes e com muito hype no mercado.

Photoshop Mobile

Adobe Photoshop é, sem dúvidas, o mais tradicional editor de imagens da história. E possui uma família de versões e extensões que só cresce. 

Com o aumento da capacidade de processamento dos smartphones, cada vez mais funções e extensões clássicas puderam ser adicionadas. E a Adobe produziu um pacote completo para os usuários de iOs e Android. Com ele você consegue trabalhar de forma profunda suas edições com o arsenal tradicional do melhor aplicativo para editar fotos no pc.

O conjunto da Adobe oferece um recurso de pré-visualização rápida das edições na imagem, de edição e mesclagem de banco de imagens (Adobe Photoshop Mix), para consertar rapidamente detalhes de pré-edição (Adobe Photoshop Fix) e sua versão mais tradicional, o Adobe Photoshop Express, além da versão para telas mais expandidas, para tablets, tudo integrado por um sistema  inteligente de armazenamento em nuvem.

Navegando na página do aplicativo você encontra todas as funcionalidades e extensões do seu tradicional editor de fotos:

No portal da Adobe você encontra toda a família de apps mobile para ambas as plataformas.

VSCO

Definitivamente o VSCO é o app para edição de imagens mais baixado para ambos os sistemas operacionais. Isso porque este app ajudou a definir as interfaces e funcionalidades da edição mobile de fotos. 

A VSCO dispõe de uma infinidade de filtros e parâmetros rápidos de edição para suas fotografias, com uma comunidade bastante ativa, sempre lançando novos filtros criativos que viralizam nas redes.

Sua interatividade e gama de opções ajudam a se familiarizar com plataformas mais densas de edição, tendo sido a porta de entrada para muitas pessoas do hobbie para o profissional.

Assinando a VSCO você tem acesso a filtros exclusivos, comunidades temáticas e concursos.

Encontre o VSCO na Apple Store | Google Play.

Facetune

Um dos motivos pelo qual mais tem se buscado por aplicativos para editar fotos é a edição rápida de selfies, e nesse ponto o Facetune  conseguiu dominar o interesse dos usuários, sendo um app voltado exclusivamente para este tipo de edição, desfoque o fundo, adicione filtros, brilho, maquiagem, remova manchas e espinhas, suavize sua pele, tudo isso editando direto após bater sua selfie.

O Facetune  ganha atualizações constantes e sua versão gratuita já é bastante funcional para  usuários com pouca ou nenhuma experiência de, um app de entrada ideal para lançar suas selfies na rede.

Encontre na Apple Store | Google Play

PicsArt Studio

O PicsArt Studio é outro aplicativo para edição de fotos muito popular, especialmente porque tem um tamanho reduzido e roda mais suave para uma série de smartphones menos turbinados, oferecendo um conjunto que mistura a adição de filtros, edição mais profunda de imagens e até de vídeos, é muito querido na criação de memes para redes sociais e edições rápidas para criar stories.

Apple Store | Google Play

Adobe LightRoom Mobile

Extensão de um dos melhores aplicativos para editar foto em todas as plataformas, resolvemos criar um tópico separado para o LightRoom porque não raramente ele é usado de forma independente dos demais apps da família Adobe.

O LightRoom veio para dar aquele aspecto mais clean rápido que muitos usuários querem para adicionar filtros em suas fotos direto para a publicação. Com o LightRoom você adiciona seus filtros e faz correções rápidas, criando fotos poderosas.

Funcional e prático, o LightRoom é uma boa pedida para amadores e profissionais. Quando agregado aos demais apps da família Adobe, você possui um arsenal profissional na palma da mão para fazer todo tipo de edições de imagem.

Apple Store | Google Play 

Qual smartphone usar com aplicativo para edição de fotos?

Se você quer avançar para um patamar mais profissional e ter um dispositivo all-in-one, onde possa fotografar, partir diretamente para a edição e publicação, sem depender de qualquer outro device externo, vale muito a pena investir em um bom smartphone.

Os smartphones atuais vêm munidos de câmera dupla, o que pode agregar uma série de funcionalidades, especialmente na medida em que os apps de estúdios de imagem vão se integrando a essa tecnologia. 

Além disso, as câmeras frontais também tem ganhado uma atenção muito especial para todos que amam selfies. Temos uma publicação falando com mais profundidade sobre o tema das câmeras de smartphone para você se introduzir no assunto com mais propriedade.

Com 2 GBs de RAM você consegue rodar de forma lisa todos os apps desta lista. Quanto ao armazenamento, cada vez os arquivos são mais comprimidos, e maioria dos aparelhos já oferecem uma opção para armazenamento em nuvem, o que permite organizar e acessar remotamente todas as suas edições e bancos.

Agora diga ‘Xis’

A edição de fotografias, mais do que um hobbie criativo, pode se tornar uma habilidade profissional, seja nas redes sociais, na edição para marketing, na vida de fotógrafo. Cada vez mais pessoas se apaixonam para fotografia e pelas artes visuais, e seu smartphone pode ser seu grande aliado nesta jornada.

No blog da iByte você aprende ainda mais sobre o mundo dos eletrônicos digitais, câmeras, smartphones, dicas incríveis para ter o melhor rendimento, e em nossa página as melhores ofertas e maior variedade estão dispostas para você realizar seu sonho de consumo. Assine nossa newsletter e não perca mais nenhuma dica!

Escolhendo a câmera de ação: GoPro, SJCam, Sony Action ou Xiaomi MiJia

Câmeras de ação – ou, em inglês, action cams – são dispositivos de filmagem e fotografia criados para as situações extremas. Preparadas para enfrentar o que der e vier com você, podem ser submetidas à água e poeira sem preocupação, ideais para quem quer registrar esportes e aventuras sem utilizar as mãos.

Trazidas ao mercado pela marca GoPro, em 2002 revolucionaram a produção de imagens e fotos e já evoluíram muito desde as primeiras versões. Quer conhecer as melhores opções disponíveis e definir qual a mais vantajosa quanto ao custo-benefício? Vem com a gente e confira: 

Conhecendo as opções mais populares do mercado

Em todos os nossos amados guias de compra no blog Descomplick, ressaltamos a importância de que você defina com clareza seus objetivos com o novo gadget. Isso inclui saber quais funcionalidades mais espera utilizar, qual aspecto você mais valoriza em um equipamento e o principal: quanto você está disposto a pagar! Somando todos esses fatores fica fácil decidir qual produto é o ideal para você! 

Para te ajudar em toda essa matemática, apresentamos os modelos mais populares do mercado, com suas funções e especificidades. Confira e compare com atenção:

 

 

A marca que deu vida ao conceito de action cam ainda é reconhecida como a melhor do mercado! A GoPro tem 7 modelos principais, dos quais discutiremos os dois últimos. 

Comecemos com a GoPro Hero 6, que grava vídeos em 4K60 e 1080p240. Contém Slo-mo Pro e é resistente a água, podendo ser submersa em até 10 metros sem a caixa estanque. O modelo faz um bom trabalho de estabilização e sua definição é muito satisfatória – enfim, tudo o que se espera de uma líder de mercado. Ela também conta com display touch, bateria de 3 horas de duração, conexão Wi-Fi e pode transferir fotos para as redes sociais de maneira direta.    

 

  • GoPro Hero 7

 

Super robusta, a GoPro Hero 7 conta com todas as demais funcionalidades da versão anterior, e ainda mostra avanços consideráveis em filmagem noturna e na estabilização de imagem. Destacam-se também as melhorias no áudio, o que permite sons bem nítidos sem microfone externo. Esses elementos são os mais relevantes para você? Se sim, pode ser que a Hero 7 seja a opção correta! 

 

  • Sony Action Cam 4K FDR-X3000

 

Outra gigante do mercado, a Sony oferece um modelo bem robusto que compete com as versões da GoPro. A Sony Action Cam 4K FDR-X3000 é super compacta e um pouco mais pesada que as GoPros tradicionais, ainda mais quando usada dentro da caixa estanque. Grava em 4K e 120fps, perfeita para o Slo-mo profissional. O áudio também é bem satisfatório, embora não se aproxime da eficiência que a GoPro Hero 7 oferece.

Seu estabilizador digital também é interessante, apesar de diminuir a área de captura. Um desfalque importante é a ausência de visor no dispositivo, fator relevante na hora da compra! De qualquer maneira, ela possui Wi-Fi e conectividade com aplicativos acessíveis da Sony, nos quais é possível visualizar tudo o que está sendo capturado pela lente.    

 

  • SJCam SJ8 Pro

 

Com filmagem em 4K a 60fps, a SJ8 da SJCam é uma opção de alta qualidade e preços mais baixos, posicionada entre os modelos da Sony e da Xiaomi. O modelo tem dois microfones, tela touch e visor frontal que mostra o modo no qual o aparelho está funcionando. Não é resistente à água de forma nativa, mas pode ser adaptado. 

Um dos fortes dessa opção é a variedade de acessórios que acompanham a câmera. Ela vem com cabos USB, duas conexões para locais planos, outras conexões de rosca, uma caixa estanque, uma case protetora, um suporte para guidão e diversos adesivos da marca. A câmera também tem conectividade Wi-Fi e a interface é bem fácil de utilizar.  

 

  • Xiaomi MiJia Mini 4k

 

Uma action cam mais acessível, em especial para quem quer experimentar a tecnologia e não quer comprometer o orçamento. Ela não é resistente à água e também não aguenta usos mais agressivos, como as GoPro, mas ainda assim revela grande potencial de uso. Seu design de poucos botões é bem clean e compacto, com touchscreen e resolução 4K – os grandes destaques da versão.

A bateria do modelo é bem satisfatória para a faixa de preço, chegando a 2 horas de gravação contínua. O software instalado conta com estabilização eletrônica e pode ser pareado com o Mi Home, o aplicativo da Xiaomi especial para o dispositivo.

Já sabe qual delas vai com você pra próxima aventura? Conte pra gente nos comentários! E é claro que suas sugestões, dúvidas e opiniões são super bem vindas para que a gente continue alimentando esse espaço com mais informação sobre gadgets e tecnologia!

Para não perder nenhuma novidade da loja, siga a Ibyte no Instagram! Por lá você conhece todas as promoções e informações úteis sobre produtos. Não dá pra ficar de fora. Nos vemos por lá e até o próximo post.

Veredito Smart Home: vale mesmo a pena ter um assistente virtual?

Já pensou em ter um aparelho inteligente, compacto e autônomo para fazer perguntas úteis do dia a dia, programar alarmes, organizar sua agenda, além de ativar e programar outros dispositivos conectados ao redor da casa? O melhor: tudo é feito de forma natural, usando a fala. Estamos tratando dos assistentes virtuais, disponíveis em algumas versões bem populares do mercado atual.

A tecnologia acaba de se desenvolver e ainda gera algumas dúvidas bem compreensíveis. Para comprar com segurança, é crucial entender as funcionalidades oferecidas, diferenças centrais entre as versões mais populares, informações importantes e principais limitações. Vem com a gente e decida se um assistente virtual está fazendo falta em sua rotina!

O que são assistentes virtuais?

De maneira objetiva, chamamos de “assistente virtual” o sistema operacional ou inteligência artificial responsável por realizar as ações e responder a comandos. Hoje, os assistentes virtuais que dominam o mercado são a Alexa, da Amazon, e a Siri, da boa e velha Google. A cada ano suas capacidades de reconhecimento de voz, processamento e funcionalidades são atualizadas, animando amantes de tecnologia ao redor do mundo.

Você pode usar esses softwares em seu aparelho celular ou televisão smart, por exemplo, mas o device mais interessante para tirar o máximo do software é o smart speaker, uma caixa de som potente e otimizada para escutar os comandos por voz. Cada grande marca possui a(s) sua(s), que já vêm com o sistema correspondente instalado.

Conheça as principais versões do mercado

Comecemos pela Amazon, a primeira gigante a investir na tecnologia. Os smart speakers mais populares da marca fazem parte da linha , que já conta com três gerações. Atualmente, o assistente virtual também pode vir na versão Echo Dot, mais compacta e acessível, que também possui 3 gerações. O aparelho mais caro e mais completo da família, por sua vez, é a Echo Show, que possui tela touch. Todos os dispositivos das linhas Echo e Echo Dot possuem um arco de luz que se ilumina quando a Alexa recebe comandos – ideal para que você tenha certeza de que o assistente foi ativado.

Sua concorrente principal é a Google, com o famoso Google Home, um smart speaker robusto em formato cilíndrico e base colorida que pode ser trocada como você preferir.  Seguindo a mesma linha da Amazon, a empresa também oferece uma versão compacta com o Google Nest Mini, que já está na segunda geração.

Ambas as marcas se atualizaram bem quanto aos mecanismos de reconhecimento de voz e automação, porém apresentam algumas diferenças importantes. Quer um post completo comparando essas duas famílias de assistentes virtuais? Não se acanhe e fale já pra gente nos comentários!

As principais funcionalidades do aparelho

A principal promessa dos smart speakers é tornar seu dia a dia mais rápido e prático. Com eles, portanto, as tarefas que antes exigiam deslocamento e acionamento de botões em múltiplos dispositivos podem ser realizadas por um único comando de voz, como se você estivesse pedindo para um assistente de verdade, mesmo. Com uso constante, seu assistente passa a conhecer seus hábitos e fica bem mais eficiente nas solicitações.

É possível reproduzir músicas específicas, solicitar as notícias do dia, saber qual a previsão do tempo, perguntar sobre o trânsito em tempo real… enfim, seu smart speaker performa qualquer ação da web e te informa os resultados por áudio, sem que você precise interromper outras atividades. Quer acionar alarmes de maneira rápida, adicionar eventos na agenda e fazer notas de voz sem usar as mãos? Os smart speakers podem ser pra você!

As possibilidades de automação também são funcionalidades bem interessantes. Usando dispositivos compatíveis e com conectividade bluetooth, você pode acender luzes, trancar portas, ativar o ar condicionado, ligar a TV, entre outras ações bastante úteis. Também dá pra programar seus dispositivos para que sejam ativados e desativados em horários específicos.

Vantagens e desvantagens

Apesar de terem se tornado bastante acessíveis nos últimos anos, nem todos os outros aparelhos compatíveis que realizam ações automatizadas pela casa sofreram o mesmo processo. Ou seja: se espera adquirir um assistente virtual para transformar sua casa em uma smart home, espere gastar quantias mais significativas.

Por outro lado, os dispositivos hoje disponíveis no mercado realizam ações por voz com muita eficiência e de fato cumprem o prometido, facilitando e agilizando ações do dia a dia, como marcações na agenda e ativação de alarmes. Há de se considerar, também, que a cada dia mais e mais produtos baratos ganham compatibilidade com tais aparelhos, e as perspectivas para o futuro só deixam os smart speakers mais vantajosos. Outro elemento positivo é a qualidade de som do aparelho, com reprodução limpa e de qualidade na grande maioria das versões.

Conclusão: vale ou não a pena?

Considerando os preços atuais e as funcionalidades disponibilizadas, concluímos que vale muito a pena levar um assistente virtual para casa. No entanto, considere bem suas expectativas quanto a automação, lembrando que você precisará investir em outros equipamentos compatíveis para desfrutar de uma smart home de verdade. Compare bem as versões do mercado e escolha aquela que performa melhor nos aspectos que você mais espera utilizar.

E aí, gostou do post dessa semana? Esperamos ter te ajudado a decidir com segurança! Se quiser mais análises como esta sobre novos produtos e tecnologias que despontam no mercado, mande já seu comentário com sugestões. Nosso espaço de troca de informações é feito com a ajuda de amantes da tecnologia como você!

Para muito mais conteúdos interessantes sobre tecnologia e todas as atualizações da nossa loja, faça já parte da comunidade Ibyte no Instagram. Ficaremos super felizes em te ver por lá!

Até o próximo post, descomplicados!