afESaUf

Dronies, já conhece?

De vez em quando a indústria da tecnologia aponta para algo como “the next big thing” (a próxima grande coisa), muitas vezes aquilo se transforma de fato em um hit, noutras, vira o que se costuma chamar de “vaporware” algo que se somo como se desmanchado no ar, e isto acontece porque muitas vezes um conceito que é atrativo para engenheiros e especialistas não ganha tração com o público.

A bola da vez são os ‘Dronies’, um conceito que junta duas das coisas mais badaladas dos últimos tempos, Selfies e Drones.

Os primeiros mockups, estudos de design, surgiram há pouco mais de um ano e mostravam aparelhos portáteis, um até de pulso, que poderiam ‘ser soltos’ para seguir e fotografar ou filmar seus proprietários.

Mal comparando, os drones hoje são os microcomputadores do começo dos anos 1980, quando eram caros, grandes, e eram utilizados por profissionais ou entusiastas, com o passar dos anos, aumentou o número de usuários, veio a economia de escala e o avanço cada vez mais rápido da tecnologia.

Pode ser que ao somar este uso (selfie) à tecnologia (drone), criando o ‘dronie’, poderemos ver a tecnologia chegando a uma escala de produção que tanto possa baixar o preço, quanto acelerar o desenvolvimento.

Os dois vídeos que ilustram esta matéria, são do Festival de Filmes com Drones da Cidade de Nova York, e ganharam respectivamente a categoria ‘Dronie’ e ‘Preferência do Público’.

Dicas para fotografar com o smartphone

Um trilhão é um número tão grande que fica esquisito representá-lo em algarismos: 1.000.000.000.000.

Foi esta a quantidade de fotos feitas apenas em 2015.

Para ter ideia do absurdo que este número representa, a estimativa é que em toda história da fotografia, a humanidade tenha feito 6,3 trilhões de fotos, ou seja, apenas este ano, fizemos quase 1/6 de todas as fotos feitas desde 1826, ano em que foi Joseph Necéphore Niépce fez a primeira fotografia.

'Vista da Janela em Le Gras', a primeira fotografia feita na história, em 1826

‘Vista da Janela em Le Gras’, a primeira fotografia feita na história, em 1826

Este crescimento vertiginoso começou com as primeiras máquinas fotográficas portáteis, no final dos anos 90, mas foi consagrado mesmo pela integração da tecnologia aos telefones celulares. Aliás, foram eles os responsáveis por 78% das fotos feitas este ano!

Pensando nisso, ficam aqui algumas dicas para fazer fotos melhores com smartphones.

1. Luz é essencial, mas nunca em direção ao smartphone.

Com a luz ao fundo, tudo que estiver próximo ao smartphone ficará escuro

Como falamos aqui, fotografia nada mais é que a captura de luz, e, quanto melhor iluminado estiver o ‘alvo’ de sua foto, melhor. Como o diâmetro das lentes de smartphones são necessariamente reduzidos, a quantidade de luz que entra por eles, é limitada. Então quanto mais luz, melhor. Só é preciso atentar-se ao fato de que a luz tem que estar em frente ao que você quer fotografar, não atrás (a não ser que você queria fotografar sombras). O flash embutido, deve ser usado apenas quando não houver opção.

2. Para fotografar de perto.

Se o diâmetro da lente do smartphone é desfavorável sem situações de pouca luz, a baixa distância entre a lente e o sensor torna o aparelho ótimo para capturar a profundidade de objetos ao se fazer fotografias de perto, o chamado de ‘macro’ (aliás, quem tem problemas de visão, pode baixar aplicativos de lente de aumento, que podem vir a ser de extrema utilidade).

3. Recorte a foto, não utilize zoom.

Recortando a foto (crop), você passa a ter mais opções de enquadramento, e melhor qualidade.

Recortando a foto (crop), você passa a ter mais opções de enquadramento, e melhor qualidade.

O zoom digital, na realidade não é um zoom, mas uma ampliação da imagem capturada. Por mais que o sistema se esforce para corrigir os ruídos que surgirão na foto, é uma má ideia utilizá-lo. O ideal é você fazer uma foto na resolução máxima, e depois ‘recortar’ a foto 😉 Se mesmo depois do corte a imagem ficar pequena, você pode ampliá-la digitalmente no computador.

4. Analise as fotos que você fez!

Na galeria de fotos, você encontrará a opção de ver detalhe das fotos no menu

Na galeria de fotos, você encontrará a opção de ver detalhe das fotos no menu

Veja as fotos que você fez utilizando os recursos automáticos do seu aparelho, escolha fotos feitas em situações semelhantes, e veja quais ficaram melhores. Em seguida, analise os detalhes da foto, em busca principalmente do ISO. Nem sempre as configurações automáticas são as melhores, depois que você aprender a mexer com estas configurações finas, através de muita tentativa e erro, suas fotos ficarão MUITO melhores.

5. Regra dos terços.

Esta não serve apenas para smarphones, para qualquer tipo de fotografia. Muitos smartphones permitem que você sobreponha na tela, um conjunto de quatro linhas – duas horizontais e duas verticais –, que dividem a tela em nove partes. Este guia, é apenas um dos vários, que dão dicas de como usar a regra dos terços, e tornar suas fotos mais interessantes com ela!

B-LYTRO-ILLUM-NOV-2014

Lytro, a câmera que te permite escolher o foco DEPOIS de fazer a foto!

De uma forma simplificada, podemos dizer que fotografar nada mais é que capturar luz, é por este motivo que toda câmera profissional sempre têm lentes de grande diâmetro. Na realidade até mesmo o próprio foco de uma foto, nada mais é que a organização das lentes (aproximação ou afastamento), para que se capturem os raios de luz de forma a otimizar a distância focal ideal.

A abordagem que as câmeras Lytro usam, é diferente, ela captura algo chamado ‘campo de luz’, que é composto por TODA informação luminosa que chega à máquina, ou seja, da forma que ela trabalha, depois que foto foi feita, o usuário pode escolher a distância focal com um clique na foto.

B-LYTRO-ILLUM-NOV-2014

Arthur C. Clarke, autor de 2001 Uma Odisseia no Espaço, entre outros, disse que “Qualquer tecnologia suficientemente avançada, é indistinguível de magia”, é o caso aqui, para entender o que a Lytro faz, melhor que ler, é testar, clique em diversos pontos das fotos abaixo e veja a mágica acontecer!

Existem dois tipos de câmera Lytro, as de primeira geração (foto abaixo), que custam US$199 e são extremamente compactas, e as Lytro Illum, lançada há poucas semanas que tem o corpo bem maior, e é sensivelmente mais avançada que a original, mas custa US$1299 (lembrando que estes são preços no exterior, para importar, você precisaria pagar 60% de imposto sobre o valor das câmeras mais o valor do frete).

Lytro_FirstGen_2up-1Leaning-RedHot

No site da empresa você pode ver uma divertidíssima galeria de fotos, que certamente vão te fazer gastar um bom tempo, afinal é bem divertido ficar brincando com o foco, e até mesmo com o ponto de vista das fotos!