moon-express

A iniciativa privada entra na nova corrida espacial.

Muita gente se pergunta ‘por quê investir em viagens espaciais?’, usando um olhar superficial, a resposta pode parecer óbvia, afinal, o que temos a ganhar com a tecnologia usada no espaço?

Muito.

Desde o mais óbvio, que é o design de aviões, até processos que controlam a produção de alimentos, para evitar que ele seja consumido em mal estado, passando por termômetros infravermelhos, membros artificiais, melhora em pneus radiais, estriamento de asfalto para melhor tração de veículos automotores, células solares e muito mais! (Nesta página da Wikipedia, você poderá ver, conteúdo em inglês).

Mas o fato é que com o fim da guerra fria, a corrida espacial em si esfriou MUITO, e a NASA viu seu orçamento diminuir de forma cada vez mais drástica.

Quem está tirando proveito disso é a iniciativa privada.

O Governo Norte Americano deu licença, sabe-se lá com qual autoridade, para uma empresa sediada na Flórida, a Moon Express, pousar na superfície da Lua já em 2017. Os motivos da Moon Express são dois, o primeiro é ganhar o prêmio de US$20 milhões do Google Lunar X-Prize, que será dado para a primeira empresa particular que pousar em sua superfície. O outro motivo, é a exploração de minérios, bem, a análise dos minérios que podem existir por lá, porque a exploração dependerá de tratados comerciais.

E se você acha que a Moon Express é a única, saiba que está enganado, outras 16 empresas competem pela mesma premiação.

Mas não para aí! A SpaceX, empresa liderada por Elon Musk, já falamos dele aqui, trabalha em parceria com a NASA para, em 2018, ser capaz de pousar uma espaçonave em Marte! Como funciona a parceria? A SpaceX entraria com toda a tecnologia e equipamento necessário para a viagem, ou seja, com o custo pesado, e a NASA daria o suporte à missão com pessoal e sua rede espacial de comunicação, que seria primordial para o controle da nave, que não seria tripulada.

moon-express

O que a SpaceX tem a ganhar? Bem, lembra das coisas que eu falei que foram criadas na corrida espacial? Pois este é o principal ganho que eles terão, a possibilidade de registrar novas patentes, e desenvolver novas tecnologias, até mesmo, para quem sabe, entrar na corrida para mineração de asteroides.

Sim, há planejamento disto, mas é conversa para outra hora!

instagram-stories

O que anda acontecendo no mundo tecnológico #4

Instagram Stories

instagram-stories

Depois de fazer algumas tentativas, infrutíferas, de comprar o Snapchat, o Facebook perdeu a paciência e adicionou o ‘Stories’ ao Instagram, uma função que ao fim e cabo, reproduz a função principal do Snapchat, vídeos curtos e com ‘prazo de validade’, dentro de uma de suas plataformas.

Não é a primeira vez que a empresa de Zuckerberg faz isto, depois de comprar o Whatsapp e o próprio Instagram, ele resolveu bater de frente com o Youtube adicionando vídeos, e mais recentemente investir contra o Periscope, uma empresa do Twitter, com a ferramenta de transmissão de streamings Live.

Enfim, dinheiro e um certo desejo de dominação mundial são coisas que parecem não faltar à empresa, vamos ver onde que isso vai parar…

 

Mais um roubo multimilionário de Bitcoins

bitfinex

Em janeiro de 2014, 70% de todos os Bitcoins, a criptomoeda, eram negociados através de uma empresa japonesa chamada Mt.Gox, até que ela foi, supostamente, invadida, e cerca de 850.000 Bitcoins de clientes foram roubado, a dinheiro de hoje, seriam cerca de R$1,4 bilhões.

Mas parece que o pessoal não aprende com a experiência, explico, quando você têm Bitcoins, você pode optar por mantê-las consigo, ou em alguma bolsa de negociação, como era a Mt.Gox. Bem, para provar que um raio pode cair duas vezes (quase) no mesmo lugar, agora foi a vez de uma empresa de Hong Kong, a Bitfinex, ser invadida, e ter 120.000 Bitcoins – R$ 200 milhões –, pertencentes a clientes roubados. Bitcoins são dados, e dados são, infelizmente fáceis de roubar. Se você resolver investir nisso, certifique-se que manter seus dados seguros!

 

Google vai testar entregas com Drones!

google-drone

A FAA, agência federal que regula a aviação nos EUA, deu luz verde ao Google para que ele possa testar entrega de encomendas com drones. Os teste acontecerão em seis cidades do país, mas não são apenas os EUA que estão fazendo este tipo de teste, na Alemanha, desde 2014, empresas de encomendas têm permissão de para fazer entrega de medicamentos com a tecnologia no Mar do Norte.

Imposto para Netflix nos EUA (mau sinal)…

imposto-netflix

A possibilidade várias vezes aventada no Brasil, de se estabelecer um imposto específico para serviços de streaming, agora um estado norte americano resolveu implementar tal cobrança, e TODO serviço online, desde a Netflix até serviços como o Kindle Unlimited, da Amazon, vaõ entrar na dança. É uma questão de tempo, até que nossos legisladores se animem com a mesma coisa por aqui.

Edward Snowden lança case anti-espionagem

snowden-case

Famoso por denunciar os grampos eletrônicos do NSA, Edward Snowden juntou-se ao hacker Adrew “Bunnie” Huang, e criou um case especial que monitora quem lhe monitora. Explico. O SIM card passa a ser utilizado no case, e um plugin especial substitui o SIM card do telefone.

Desta forma, o case monitora todos os sinais de rádio que passam pelo seu aparelho, e podendo bloqueá-los direto no hardware do aparelho. É como se fosse um ‘modo avião’ vitaminado, já que, mesmo em movo avião, seu telefone não deixa de usar frequências de rádio!

WiFi

GigaDSL e novos chips WiFi, a próxima geração de banda larga

Venhamos e convenhamos, velocidade para banda larga nunca é demais. Não importa quanto temos hoje, um pouco mais, ou muito mais, é SEMPRE o ideal.

A Qualcomm divulgou há alguns dias, que está lançando dois novos chips, o primeiro se chama GigaDSL, e permitirá que companhias telefônicas atualizem suas estruturas existentes, que transitam dados por ‘par metálico’ (fios telefônicos) a uma velocidade máxima, teórica, de 350mbps na tecnologia para 1Gbps como diz o novo nome.

Qualcomm

Claro, para isso as operadoras precisam estar dispostas a investir, o que, em um mercado pouco competitivo como o nosso, não é algo muito normal de vermos.

Mas se por um lado o custo de trânsito de dados por meio físico é muito caro, principalmente para a distribuição na chamada ‘última milha’, entre os armários de distribuição e o cliente final, é na tecnologia sem fio que vejo o futuro de uma internet mais rápida e acessível.

WiFi

Mas até chegarmos ao ponto que isso seja possível, ainda demora um pouco, mas quando as TVs analógicas forem proscritas, e seus espectros de banda reutilizados, poderemos ver algo neste sentido.

Enquanto isso, vamos nos virando com nossos roteadores residências, que estão cada vez mais populares, ao ponto de que quem mora em apartamentos já começa a a ter eventuais dificuldades com interferências, e baixa velocidade em suas redes sem fios, a Qualcomm apresentou um novo chip com a tecnologia 802.11ac tri-radio, que, combinando dois rádios de 5ghz, e um de 2,4ghz, pode atingir velocidades de até 3Gbps em redes WiFi, e como é capaz de operar em muitos mais canais que o normal, garante sempre o melhor trânsito de dados possíveis, especialmente para dispositivos móveis.

Excelente para quem tem servidor de mídia em casa! 😉

spot-mini

Inteligência artificial, quando a ficção e a realidade se misturam

Você lembra do filme Matrix, aquele em que a imensa maioria dos humanos vivem dentro de uma simulação, tendo seus corpos reais estocados em capsulas e usados como ‘baterias biológias’, para o computador que cria o mundo virtual?

Bem, um dos empreendedores mais ‘afiados’ da atualidade, Elon Musk (já falamos dele aqui), disse acreditar, durante uma conferência, que há apenas uma chance em um bilhão de não estarmos vivendo dentro de uma simulação.

Geralmente eu encararia isto como uma piada. Mas ele não fala isso à toa.

Ao explicar seu pensamento, ele utiliza como argumento o desenvolvimento incrivelmente rápido dos vídeo games, veja, em um espaço de apenas quarenta anos, passamos de tracinhos e quadrinhos do ‘Pong’, para jogos criados com impressionante qualidade gráfica, e computadores extremamente poderosos, como o IBM Watson, capaz de fazer diagnósticos de doenças humanas com incrível precisão, e coisas como o Blackbird.

Mas veja o vídeo primeiro, depois termine de ler o texto! Ative as legendas e mande traduzir para português, ou apenas assista e fique maravilhado.

Entendeu? Chegou ao ponto em que não precisamos mais usar um carro par fazer o vídeo de um carro, um robô que pode ser configurado para reproduzir a geometria de virtualmente qualquer carro, e pode, a posterior, receber a ‘pele’ do carro que quer reproduzir.

Apesar de eu não ter a mesma convicção de Musk sobre estarmos vivendo em uma simulação, confesso que o ‘filosofar’ em torno da possibilidade de sermos todos inteligências artificiais, é algo intrigante.

A Boston Dynamics não cansa de nos mostrar o futuro com seus robôs quadrúpedes.

Mais prova que vivemos no limite entre a realidade e a ficção, ainda neste campo da inteligência artificial, é que um professor da prestigiada Universidade de Oxford, na Inglaterra, já pôs em discussão a possibilidade de as inteligências artificiais chegarem a um ponto de avanço, em que precisemos definir seus direitos fundamentais, algo como o ‘direitos humanos de máquinas’…

Meus amigos, que era para se viver!

O que anda acontecendo no mundo tecnológico #3

Apple Watch pode dominar metade do mercado este ano.

É impressionante o sucesso que o Apple Watch está fazendo. Ao contrário do iPhone que na prática reinventou, e dominou por anos, o mercado de telefonia móvel, o relógio da Apple chegou tarde para um mercado MUITO, mas MUITO mais fragmentado e cheio de grandes participantes tradicionais que àquele. E ao que tudo indica, vai dominar este mercado, de uma venda estimada de pouco mais de 28 milhões de relógios inteligentes este ano, o IDC, uma respeitada firma de pesquisa de mercado, acredita que a Apple possuirá uma fatia de quase 50% ao final do ano. A conferir.

Operadoras querem acabar na marra com a neutralidade da rede.

Existe um princípio fundamental na internet, que é o da neutralidade da rede, ou seja, os dados que viajam através de sua infraestrutura, não podem e não devem sofrer discriminação em razão do que esteja sendo transportado. Não importa se é uma obra de Shakespeare, um meme infantil, ou transação bancária, TUDO, absolutamente TUDO, tem que ser tratado de forma isonômica. Uma declaração de um executivo da Vivo, que disse que quem faz uso de plataformas de streaming, como Youtube e Netflix têm que pagar mais, é para fazer abrir, e bem os olhos. Vale a lembrança de que a Vivo comprou a GVT, e agora irá implementar franquias de consumo de dados na empresa.

Android Auto, a versão do sistema para carros, foi lançado oficialmente no Brasil.

Carros conectados são cada vez mais uma realidade, e a Google Inc. anunciou que seu sistema operacional passou a estar disponível em 18 países, inclusive o Brasil. O Android Auto é muito mais que simplesmente uma central de mídia, ele permite que smartphones sejam conectados através de si aos carros que equipam, e permitem a interação de apps no aparelho, com o veículo e vice-versa. Seu principal rival é o Apple CarPlay.

IA do Facebook ‘mostrará’ fotos a quem não pode ver

Existe todo um conjunto de normas de usabilidade na criação de conteúdo para web, criado para ajudar aqueles que não podem ver. São normas que permitem que programas chamados ‘leitores de tela’, permitam a quem tem a visão parcial ou completamente comprometida, ‘ouvir’ o que está na tela. Um dos pontos mais complicados para fazer algo que obedeça corretamente estes termos de usabilidade, é a descrição das imagens. Pois bem, na última versão de seu app para iOS, o Facebook fez um ‘gancho’ com um programa de inteligência artificial, que tenta reconhecer, e narrar para o usuário que usa leitor de tela, o que aparece em fotos. Ponto para o Facebook!

Um dos domínios mais antigos da internet, foi leiloado!

Quick.com, um domínio criado em 31 de agosto de 1987 foi o 85º domínio de interna a ser registrado! O domínio foi parte de um grande leilão com vários outros nomes considerados ‘premium’, dia 19 de abril passado em San Francisco, e foi arrematado pelo valor astronômico de US$299.000,00!! Além dele, vários outros domínios considerados ‘premium’ foram também vendidos, Blaze.com foi arrematado por US$253.000,00, snowboard.com arrematado por US$86.250,00 e sex.co por US$63.250,00!!

Duas curiosidades, o primeiro domínio a ser registrado, em 1985, foi symbolics.com e o domínio mais caro já vendido, pelo menos que se tenha notícia, foi mi.com, comprado pela fabricante chinesa de celulares Xiamoi por astronômicos US$3,6 milhões

mr-robot

As melhores séries que têm tecnologia por tema (não são sci-fi)

The IT Crowd (2006-2013)

Este sitcom com toda acidez do típico humor inglês, mostra o departamento de TI de uma empresa inglesa e estampa em seus três participantes alguns dos principais estereótipos da área, como o geek amante de cultura pop e impaciente, o nerd que usa cada detalhe técnico existente em suas explicações, ambos com poucas habilidades sociais, e a gerente que não é da área e foi transferida por engano para chefiar o setor.

Por um acaso, encontrei o primeiro episódio, completo, no Vimeo, assista! A série não tem um grande arco, os episódios são independentes.

Silicon Valley (2014 – presente)

Com muito bom humor, a Silicon Valley (HBO) mostra como nascem e morrem as startups de tecnologia. Na série um grupo de desenvolvedores que mora na casa de um ‘encubador’ que havia conseguido algum dinheiro vendendo sua própria startup um tempo antes, e está em busca de um novo sucesso.

As personagens são bem caricatas e exageradas, mas a mecânica mostrada, os termos apresentados, as propostas feitas, e a forma como algumas coisas são criadas de forma fortuita estão relativamente próximas do que acontece. Vale pela curiosidade. A série conta uma grande história e ainda está no primeiro arco, então precisa ser assistida na ordem de lançamento.

Halt and Catch Fire (2014 – presente)

Se Silicon Valley mostra as startups dos dias de hoje, Halt and Catch Fire(HBO) nos leva para o começo dos anos 1980, e nos apresenta a evolução dos primeiros computadores pessoais na primeira temporada, e o nascimento das BBSs (redes online, ponta a ponta, que antecederam a internet), em sua segunda temporada.

O ponto alto da série são as personagens femininas, fortes, inteligentes e determinadas, o que termina por ser um tapa com luva de pelica na atual indústria de tecnologia que ainda luta pela igualdade de gênero. A série tem dois arcos, dá para ver a segunda temporada, sem ter visto a primeira, mas, vendo a primeira se entende melhor a dinâmica entre as personagens na segunda.

Person of Interest (2011-2016)

Um bilionário misterioso, um ex-soldado de forças especiais, uma policial competente, e uma ‘máquina’ dotada de inteligência artificial, que, garimpando a internet, consegue identificar comportamentos que indicam que alguém irá cometer, ou ser vítima de um crime. No Brasil é transmitida pelo Warner Channel (Cabo), e na tv aberta pelo SBT, com o nome ‘Pessoa de Interesse’.

Tudo que a ‘máquina’ faz é enviar ao seu construtor um número de Seguro Social (algo que nos EUA parece com nosso CPF), que pertence a uma pessoa que tanto pode estar no processo de cometer, como de ser vítima de alguma atividade criminal. Entre o início de cada processo uma investigação para saber se o indivíduo é um criminoso ou uma vítima em potencial, e o permeio com gangues, e policiais corruptos. A série conta com histórias autocontidas, uma por episódio, e tem seus arcos como pano de fundo. Em maio estreará no EUA sua última temporada.

Mr. Robot (2015-presente)

De longe, de muito longe, está e a melhor série para amantes da tecnologia. É uma série densa, com uma trama complexa, e um excelente elenco, Christian Slater entre eles. A série mostra a história de um ‘hacker justiceiro’, que, acostumado a trabalhar sozinho, se envolve com um grupo de hacktivistas, para atacar uma das maiores empresas do mundo a Evil Corp (Corporação Malvada – sério).

A série lembra um pouco os livros de William Gibson, e, agradará a quem gosta de boas tramas de suspense, e mais ainda quem tem conhecimento um pouco mais elevado de informática (é divertido ver alguém citando termos técnicos na TV). Foi um dos melhores lançamentos de 2015.